Agfintechs: um novo modelo de negócio financeiro

Por Evelyn Gomes

Como vocês leitores assíduos do nosso blog já sabem que a tecnologia está no nosso sangue, hoje queremos trazer um tema que une dois grandes pontos de interesse no mundo agro, o crédito e o novo modelo de negócio relacionado ao mundo das finanças, as fintechs e é a partir disso que surgiram as agfintechs.

As fintechs são a união entre a tecnologia e o sistema bancário mudando os métodos tradicionais e diminuindo as burocracias envolvidas através da digitalização da papelada o que encurta processos e claro, as filas. E, convergidas com o mundo do agronegócio, as Agfintechs são a união perfeita entre esses dois mundos para facilitar a obtenção de melhores serviços financeiros e crédito.

Essa combinação promete trazer soluções inovadoras e tecnológicas para atender necessidades específicas do agronegócio usando plataformas digitais, aplicativos móveis, plataformas online, análise de dados a fim de fornecer produtos personalizados e eficientes para agricultores, pecuaristas e mais agentes do agronegócio.

A ideia é facilitar a gestão financeira já que os agricultores poderão solicitar créditos agrícolas, fazer transações eletrônicas, administrar o fluxo de caixa, realizar pagamentos, contratar seguros de forma segura e transparente assim como as negociações que você realiza através da AgroNegociar que assim como as Agfintechs tem a missão de impulsionar a produtividade agrícola.

As Agfintechs podem ser divididas em 3 classificações:

  • Antes da Porteira: estão focadas em oferecer soluções para os estágios iniciais de produção como financiamentos para a compra de insumos sejam eles fertilizantes, sementes, defensivos e até ofertas de crédito que envolvam o custeio da produção. Outras soluções incluídas são: análise laboratorial, controle biológico, economia compartilhada, genômica e biotecnologia, 
  • Dentro da Porteira: as soluções ofertadas nesta classificação estão muito ligadas à operação e gestão das propriedades rurais, o que inclui o crédito para aquisição de maquinários agrícolas, tecnologias de irrigação, armazenamento de grãos e até mesmo sistemas de monitoramento. Outras soluções que podem ser englobadas são: Agropecuária de precisão, aquicultura, conteúdo educacional e marketing digital, gestão de resíduos e água, sensoriamento remoto, gestão de dados agrícolas, IOT e analytics, VANT, meteorologia e irrigação.
  • Depois da Porteira: nessa categoria as soluções estão dedicadas às etapas finais da cadeia produtiva desde a comercialização passando pela logística, seguro da colheita e negociação de contratos futuros de commodities agrícolas cuja intenção é sempre maximizar os retornos financeiros da safra com ferramentas de negociação. 

E, onde estão localizadas as Agfintechs?

De acordo com o relatório do Radar Agtech Brasil 2021/2022 realizado em parceria com Embrapa, SP Ventures e Homo Ludens com o apoio do Distrito, foi descoberto que existem mais de 1703 startups atuando diretamente para o agronegócio, desse número 1046 estão situadas no Sudeste, 436 no Sul, 106 no centro-oeste, 89 no nordeste e 26 no norte. Tendo como as principais capitais das Startups Agro são São Paulo, Curitiba e Piracicaba. 44% das startups agro estão focadas no segmentos depois da porteira, já 41,4% está classificada em dentro da porteira e a menor parte está centralizada em antes da porteira.

E, você já utilizou o serviço de alguma Agfintech? Conta para gente!

Categorias: