Porto de Paranaguá bate novos recordes

Por Evelyn Gomes

Essa não é a primeira vez que falamos sobre o Porto de Paranaguá, no ano passado, quando fizemos o especial #AgroPorEstado demos uma pincelada no assunto ao falar do Paraná. No entanto, é sempre bom relembrar a grandeza e a relevância desse porto para o nosso país e sobretudo para o agronegócio.

De acordo com o Sistema de Inteligência Territorial Estratégica da Macrologística Agropecuária Brasileira, o porto paranaense é o maior porto graneleiro da América Latina, sendo atualmente um dos maiores centros de comércio marítimo do mundo que une localização estratégica com uma das melhores infraestruturas portuárias na região, tendo como principais cargas movimentadas em Paranaguá a soja em grãos, soja em farelo, milho, sal açúcar, fertilizantes, congelados, derivados de petróleo, etanol, containers e até veículos. 

Esse porto que é batizado originalmente de Dom Pedro II, ele começou sua história no atracadouro de Paranaguá com a administração de particulares em 1872, a partir de 1917 o porto passou a ser controlado pelo governo do Paraná, em 1935 aconteceu a inauguração do porto, 12 anos mais tarde foi criada a autarquia estadual que levou o nome de Administração do Porto de Paranaguá (A.P.P). Em 1971, foi realizada a unificação da administração dos dois portos do Paraná através da lei 6.249, criando a Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (APPA).

Os acessos ao Porto são divididos entre o acesso marítimo, acesso rodoviário e o ferroviário que se comportam da seguinte forma:

  • Acesso Marítimo: acontece pelo Canal da Galheta, por duas áreas externas,  Alfa (profundidade de 15m e largura de 200m) e Bravo-1 (profundidade de 13,5m e largura de 150m) e uma área interna chamada de Bravo-2 (profundidade de 13m e largura de 150 m).
  • Acesso Rodoviário: acontece pela BR-277 que liga Paranaguá a Curitiba e conecta com outras rodovias como a BR-116 pelas rodovias PR-408, PR-411 e PR-410.
  • Acesso Ferroviário: acontece pela América Latina Logística Malha Sul S.A.

Todas essas informações são de suma importância para que entendamos melhor os recordes batidos nesse porto paranaense porque segundo informações da própria administração, o Porto de Paranaguá recebe 1 caminhão carregado por minuto, no entanto, na última semana a marca foi dobrada.

 O recorde foi registrado entre às 07h da manhã do dia 04 de julho e o mesmo horário do dia seguinte quando o Pátio Público de Triagem do Porto apontou que haviam adentrado ao local destinado à espera da descarga dos grãos sólidos para exportação 2456 caminhões, quase dois por hora (1,71). O ponto positivo é que a recepção aconteceu de modo organizado e sem filas.

  • 57,6% dos caminhões transportava soja;
  • 22,3% estavam carregados com milho;
  • 20,1% continham farelo de soja;

É importante ressaltar que o pátio de triagem tem uma capacidade estática de atender mil caminhões, e que durante o mês de julho o tempo de permanência média desses caminhoneiros foi de seis horas e quarenta e três minutos. 

Outra característica que acentua a boa gestão do porto é que o desempenho de cada terminal é medido e que todos os grãos e farelos cujo destino é a exportação ainda passam por um processo de verificação da qualidade por uma empresa contratada pela  Associação dos Terminais do Corredor Leste do Porto de Paranaguá (Atexp).

E você, produtor, escoa suas produções pelo Porto de Paranaguá? Sabia desse novo recorde?

Categorias: